efeito da maconha no organismo

Quanto Tempo Dura o Efeito da Maconha no Organismo?

Maconha

A maconha é um entorpecente produzido por meio da Cannabis, planta que possui uma substância psicoativa conhecida como deta-9-tetrahidrocanabiol, o tão famoso THC. Embora seu consumo seja mais popular através do fumo, ela pode ser usada de outras formas, como por via oral, inalação e até mesmo intravenoso.

Seja qual for a maneira escolhida de consumo, o fato é que, depois de ingerida, a maconha ainda permanece um determinado tempo no organismo. No entanto, para saber o período certo, antes é necessário avaliar alguns fatores decisivos, por exemplo:

  • A quantidade consumida
  • A frequência do uso
  • A taxa de metabolismo de cada pessoa

Outro ponto também levado em consideração diz respeito ao tipo de teste feito para identificar a presença da substância no organismo. O exame mais convencional entre eles é o de urina, rápido e eficiente. 

Assim como ele, há o teste de sangue e o de queratina, realizado por meio da coleta de pequenas amostras de cabelo, pelos do corpo ou raspas da unha. Esses, por sua vez, são mais aprofundados e também bastante precisos.

Quanto tempo a maconha permanece no organismo

Como vimos, a resposta em si costuma variar, dependendo da quantidade e frequência consumidas, assim como o próprio metabolismo da pessoa. 

De forma geral, um indivíduo que tem consumo moderado, tem chances de ficar com a substância no organismo por cerca de 7 a 13 dias. A quantidade, porém, também irá depender da forma como a maconha foi ingerida.

Em sua forma mais comum consumida, ou seja, na forma de cigarro, o THC tem cerca de 20% de biodisponibilidade. Isso significa que cada cigarro tem em média de 30mg de THC, dos quais apenas 6mg serão absorvidos pelo organismo.

Os efeitos da maconha no organismo humano

A maconha é um dos entorpecentes com intoxicação bem leve. Entre os tantos disponíveis, lícitos ou não, não há registro de mortes em decorrência desta. De maneira geral, seu consumo é realizado para fins recreativos. No entanto, ela também tem sido muito usada na área medicinal, para auxiliar diversos tratamentos e combater doenças.

Os efeitos da maconha no organismo são variados e subjetivos, em outras palavras, depende muito de cada pessoa. Do lado psicológico, a substância pode causar:

  • Alteração da percepção de tempo e espaço
  • Aumento da frequência cardíaca
  • Aumento do apetite
  • Boca seca
  • Confusão mental
  • Exacerbação de sintomas psicóticos existentes
  • Olhos avermelhados
  • Pânico
  • Perda da inibição
  • Redução da capacidade motora
  • Redução da memória
  • Sentidos mais aguçados

Apesar disso tudo, existe um efeito em especial que atrai muitos usuários, tanto para a recreação quanto para tratamentos: a sensação de relaxamento e euforia. Esses dois sentimentos são o suficiente para conquistar cada vez mais consumidores da substância.

Quanto tempo dura o efeito da maconha no organismo depois de consumida

Quando a maconha entre no organismo, a sensação de euforia entra em cena. O prazer toma conta do corpo, a ansiedade diminui e a pessoa simplesmente relaxa. Isso é o suficiente para conter ataques de pânico, a profunda sensação de tristeza, crises de ansiedade, isolamento social, dores e estresse.

Colocados na balança, os efeitos da maconha no organismo trazem mais benefícios que malefícios. Em média, a euforia tem cerca de 10 a 30 minutos de pico, entretanto, os efeitos do entorpecente no organismo dura de acordo com o meio de ingestão.

Sendo assim, se a maconha for consumida através do cigarro, vulgo baseado, seu efito tende a durar cerca de 1h a 2h. Em contrapartida, se a ingestão for comestível, como cookies, bolos, brownies e outros, os efeitos são prolongados, podendo durar por até 4h no organismo. 

Um ponto interessante ressaltar é que os efeitos da maconha no organismo, como a redução dos reflexos, baixo nível de concentração e da performance motora, podem ter resultados durante até 24h. 

Outro fato relevante é a forma como ela é inalada. Se for com o cigarro, por exemplo, ele queima parte da substância que poderia ser consumida. Já os bongs, aproveitam bem mais o THC. Por fim, os vaporizados conseguem extrair as partes mais importantes do fumo.

Cannabis Sativa x Indica

No meio dos consumidores da maconha, existe uma lenda entre os usuários menos informados, a qual reza que a principal diferença entre a Cannabis Sativa e Indica está em seus respectivos efeitos, uma responsável pela sensação de sedativo, enquanto a outra está ligada ao efeito eufórico.

De fato, ambas possuem sim diferenças entre elas, mas nada limitado aos seus efeitos. Para começar, a principal distinção está na própria planta e sua morfologia. A Indica está mais para uma árvore, com folhas largas. Em contrapartida, a Sativa está mais para um arbusto, com folhas esbeltas.

Quanto à morfologia, a Indica é espessa, com estatura baixa e folhas largas e escuras. Seu cultivo é mais indicado para climas frios que tem estações mais curtas, tendo assim, um curto ciclo de floração. 

Já a Sativa é um pouco mais alta e esbelta. Suas folhas são estreitas e tem coloração verde-claro. Diferente da anterior, ela possui o ciclo de floração mais longo e tende a ser mais recomendável para o cultivo externo, em lugares mais quentes. 

Um fato curioso é que, por mais que essa discussão renda assunto até hoje, essas duas espécies de Cannabis foram bastante cruzadas nos últimos 50 anos. Portanto, a maioria das cepas encontradas atualmente são híbridas de alguma forma, já que a composição molecular da planta se sobrepõe aos seus traços físicos.

Cannabis Sativa

A Sativa é a espécie mais badalada do meio. Não por acaso, suas flores são as que possuem maior nível de concentração de THC, o ativo psicotrópico encontrado nessa planta. 

Dentre as três espécies, ela se apresenta como a de maior tamanho, podendo alcançar até 5 metros de altura, resultado da sua longa fase vegetativa. Suas folhas viraram símbolo da maconha, alongadas e finas. Devido ao seu grande porte, a Sativa tende a ser mais cultivada ao ar livre, para proporcionar mais espaço às suas folhas. 

Seu tamanho está diretamente relacionado ao seu crescimento, o que significa um tempo de espera maior para a floração, período que gira em torno de 10 a 12 semanas. Por isso, não crie expectativas de colher frutos logo depois do plantio. Outro detalhe importante é ter cuidado no manuseio, pois essa espécie costuma ser sensível ao toque.

Origem – Encontrada especialmente em lugares com climas quentes e secos, onde há longos dias ensolarados. Principais continentes de cultivo: África, América Central, Sudeste Asiático e partes ocidentais da Ásia.

Características físicas da planta – Altas e finas. Levam mais tempo para amadurecer.

Proporção de CBD (canabidiol) para THC – Apresenta menores índices de CBD e dosagem maior de THC. 

Recomendações de uso da Cannabis Sativa

Com o alto nível de THC, a Cannabis Sativa é mais indicada para o consumo matutino, pois tem efeitos mais terapêuticos. Ela é bastante indicada para combater ou ajudar no tratamento contra:

  • Depressão
  • Fadiga muscular
  • Câncer
  • Má disposição
  • Dores crônicas
  • Aumento de serotonina
  • Uso diurno

Cannabis Indica

Se comparada a espécie anterior, a Indica é mais corpulenta e menor no tamanho, ficando entre 1 e 2,5 metros de altura. Sua folhagem é mais curta, arredondada e larga. No geral, suas flores crescem mais perto uma das outras e, diferente da sua irmã, costuma ser mais resistente ao toque.

Outro diferencial encontra-se na sua floração, com tempo inferior à Sativa. Junte isso ao seu tamanho amigável e ela se torna uma opção perfeita para o cultivo interno. Muitos produtores utilizam a estufa para o plantio, já que a Indica possui boa capacidade de adaptação para cada ciclo. Algo que resulta em um período de floração com mais facilidade.

Origem – Nativa do Afeganistão, Índia, Paquistão e Turquia. As plantas costumam se adaptar muito bem a climas severos, os quais predominam a sequidão e ventos turbulentos. 

Características físicas da planta – Curtas e atarracadas. Possui vegetação espessa, com folhas grossas que se desenvolvem de forma mais larga. Cresce mais rápido que a Sativa.

Proporção de CBD (canabidiol) para THC – Suas cepas costumam apresentar maior nível de CBD e menor de THC.

Recomendações de uso da Cannabis Indica

A Cannabis Indica também possui THC, porém, em menor quantidade. Seu diferencial exclusivo está na grande concentração de CBD, substância conhecida como cannabidiol, sendo amplamente usada na medicina cannábica, por ter forte efeito terapêutico. 

Por isso, seu consumo é mais indicado para o período noturno, para que a pessoa aproveite melhor o momento de descanso. Assim, ela é mais recomendável para combater ou auxiliar nos casos de:

  • Insônia
  • Dores musculares em geral, pois induz o relaxamento dos músculos
  • Espasmos musculares, como as convulsões
  • Ansiedade
  • Dores de cabeça constantes
  • Enxaquecas
  • Dores agudas
  • Estimula o apetite
  • Relaxa a mente
  • Aumenta a dopamina
  • Uso noturno

As diferenças entre a Cannabis Indica e Sativa existem, portanto, para fins medicinais, o melhor a procurar entender mais sobre elas e saber qual das duas é mais indicada para o caso. No entanto, se o uso for apenas recreativo, talvez uma boa alternativa seja experimentar ambas e descobrir qual delas o seu corpo se adapta melhor.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *