especies de maconha

Espécies de Cannabis: Conheça os tipos e suas recomendações para consumo!

Maconha

Quando vamos falar de tipos de maconha existem em resumo apenas dois: a sativa e a indica. Então, as sementes que popularmente conhecemos, como purple haze ou kush, são variações respectivas dos tipos sativa e indica. Além delas existem também as híbridas que vão ser em resumo uma mistura dos princípios da sativa e indica.  

Todos os tipos de maconha possuem o mesmo grupo de princípios ativos: CBD (Canabidiol), que tem um efeito mais relaxante e medicinal e o THC (Tetrahidrocanabinol), que tem um caráter mais estimulante, os dois canabinóides são responsáveis pelos efeitos característicos da maconha.  

A maconha do tipo sativa é a espécie mais comum de maconha. É própria pra ser cultivada em lugares de clima quente, ou seja, exige MUITA luz solar, o que impede, por exemplo, o cultivo indoor. Além disso, também é a espécie que fica maior, chegando a 2 metros de altura. Na sativa os níveis de THC são mais elevados do que de CBD e é isso que gera os efeitos característicos de ser estimulante, ou seja, enfatiza os aspectos eufórico. Sendo possível experienciar aumento de energia física, melhoras no humor, pensamentos mais soltos, acelerados e propensos à criatividade. Algumas das sativas mais conhecidas são: a Jack Herer, Sour Diesel, Green Crack, Purple Haze.

A maconha do tipo indica ao é natural de regiões com clima mais ameno, e necessita de menos luz solar. Além disso, cresce menos, algo em torno de 1 m, por isso, é muito visada para o cultivo indoor.  Na indica, os níveis de CBD são maiores do que os de THC e isso que via gerar os efeitos de relaxamento, sensação de conforto, calma, etc. Os tipos mais populares de indica são a Bubba Kush, Afghani e Northern Light.

Além das duas principais espécies de maconha, temos as variantes hibridas, que são muito comuns hoje em dia e são fruto de cruzamento e variantes dos dois principais tipos de maconha. As hibridas mesclam tanto os efeitos quanto otimizam pontos de cultivo das espécies sativa e indica, ou seja, é possível, desenvolver plantaS mais maleáveis de serem cultivadas em certo clima e em certo tempo.

As espécies hibridas não tem um efeito certo, pois são misturas e dependem da quantidade de THC e CBD para poder se dizer os efeitos produzidos. Algumas híbridas bem conhecidas são: a Blue Dream, OG Kush e White Widow.

Existe também a cannabis ruderalis, que aparece muito quando se pesquisa os tipos de maconha, que é uma variante de sativa, porém, ela tem níveis muito baixos de THC e CDB, então não dá efeitos eufóricos ou medicinais. É uma maconha usada basicamente para extração de fibras e pra ser usada em confecção de tecidos.

Temos também uma tabelinha com os principais produtos de consumo recreativo advindos da maconha:

PRODUTOCOMPOSIÇÃOTEOR DE THCMODO DE USO
MaconhaVegetal1 a 3%Fumado
Hash oilExtraído com solventes orgânicos ou destilação
Até 60%

Fumado
HaxixeResina seca da inflorescência 1 a 18%Fumada em cachimbo
SkunkHíbrida fruto de cruzamento da sativa e da indica
25 a 30%

Fumada

No que consiste a Cannabis?

Na botânica, a Cannabis é um tipo de planta dióica, isto é, elas são separadas entre masculinas e femininas. Esse detalhe muda completamente seu ciclo de cultivo, assim como o resultado de sua floração.

A masculina gera sementes no período reprodutivo, as quais também possuem finalidades específicas. Enquanto a feminina provém flores, que, por sua vez, é a parte mais consumida no mercado. Essas flores são conhecidas em três espécies, que falaremos logo abaixo.

Além das plantas masculinas e femininas, há também as variações híbridas e hermafroditas que, embora sejam mais raras, ainda podem ser cultivadas, tendo resultado positivo.

Cannabis Sativa

A Sativa é a espécie mais badalada do meio. Não por acaso, suas flores são as que possuem maior nível de concentração de THC, o ativo psicotrópico encontrado nessa planta. 

Dentre as três espécies, ela se apresenta como a de maior tamanho, podendo alcançar até 5 metros de altura, resultado da sua longa fase vegetativa. Suas folhas viraram símbolo da maconha, alongadas e finas. Devido ao seu grande porte, a Sativa tende a ser mais cultivada ao ar livre, para proporcionar mais espaço às suas folhas. 

Seu tamanho está diretamente relacionado ao seu crescimento, o que significa um tempo de espera maior para a floração, período que gira em torno de 10 a 12 semanas. Por isso, não crie expectativas de colher frutos logo depois do plantio. Outro detalhe importante é ter cuidado no manuseio, pois essa espécie costuma ser sensível ao toque.

Recomendações de uso da Cannabis Sativa

Com o alto nível de THC, a Cannabis Sativa é mais indicada para o consumo matutino, pois tem efeitos mais terapêuticos. Ela é bastante indicada para combater ou ajudar no tratamento contra:

  • Depressão
  • Fadiga muscular
  • Câncer
  • Má disposição

Cannabis Indica

Se comparada a espécie anterior, a Indica é mais corpulenta e menor no tamanho, ficando entre 1 e 2,5 metros de altura. Sua folhagem é mais curta, arredondada e larga. No geral, suas flores crescem mais perto uma das outras e, diferente da sua irmã, costuma ser mais resistente ao toque.

Outro diferencial encontra-se na sua floração, com tempo inferior à Sativa. Junte isso ao seu tamanho amigável e ela se torna uma opção perfeita para o cultivo interno. Muitos produtores utilizam a estufa para o plantio, já que a Indica possui boa capacidade de adaptação para cada ciclo. Algo que resulta em um período de floração com mais facilidade.

Recomendações de uso da Cannabis Indica

A Cannabis Indica também possui THC, porém, em menor quantidade. Seu diferencial exclusivo está na grande concentração de CBD, substância conhecida como cannabidiol, sendo amplamente usada na medicina cannábica, por ter forte efeito terapêutico. 

Por isso, seu consumo é mais indicado para o período noturno, para que a pessoa aproveite melhor o momento de descanso. Assim, ela é mais recomendável para combater ou auxiliar nos casos de:

  • Insônia
  • Dores musculares em geral, pois induz o relaxamento dos músculos
  • Espasmos musculares, como as convulsões
  • Ansiedade
  • Dores de cabeça constantes
  • Enxaquecas

Cannabis Ruderalis

Com folhagem mais consistente, essa é a espécie menos encontrada no Brasil, devido as suas variedades primárias e, principalmente, por sua baixa estatura, algo em torno de 50 a 63 centímetros de altura. 

Devido ao seu pouco tamanho, a Cannabis Ruderalis possui um ciclo de floração bastante rápido, por isso, ela tende a ser mais encontrada em regiões frias, geralmente no hemisfério norte do globo, como países da Europa. Com o inverno rigoroso, a melhor opção é obter velocidade no cultivo, para não prejudicar a planta.

No entanto, diferente da Sativa e Indica, a Ruderalis termo ativo psicotrópico (THC) mínimo. Dessa forma, ela não é uma espécie cultivada para recreação ou mesmo no combate ou auxílio a determinadas condições fisiológicas. 

A produção da Cannabis Ruderalis está especialmente relacionada com o fato de ela produzir sementes auto-florescentes. Ela serve como fonte de material genético adicional para os cultivadores. Com isso, tais sementes conseguem ser criadas e ajustadas para o plantio direcionado.

Existem ainda diversas outras espécies de Cannabis, como a Cânhamo, com a produção voltada mais para o setor industrial, servindo de matéria-prima para variados itens comerciais, desde papel à vestuário, passando por alimentos e biocombustível. Contudo, a Sativa, Indica e Rudarelis são as três mais usadas para a recreação e no auxílio medicinal.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *